ABRA SUA MENTE



Fecha teus olhos,abre tua mente e teu coração para a Verdade ...,porque

Ela pode ser invisível aos olhos humanos.Mas não aos olhos da sua consciência







Seguidores

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

FELIZ ANO NOVO

Foto: A todos os amigos do face

2014

  





Que tenhamos meu Pai, um 2014 com mais amor,fartura e menos violência.


 

PERSEVERANDO NA FÉ

Foto

REZAR UM PELO OUTRO

Como precisamos rezar uns pelos outros para não desfalecermos na fé.
 Pare agora, pense em uma pessoa e faça uma oração por ela:
 Senhor, eu me uno a Ti e peço que esta pessoa não desfaleça ou fraqueja na fé.

REFLETIR

QUE A SIMPLICIDADE




Roguemos a Oxalá, que a simplicidade,caridade e humildade da nossa religião, seja preservada.
Que estes sentimentos sejam preservados na nossa querida Umbanda.
Que o tempo, a evolução aconteça para um melhor desempenho espiritual.Mas, que,    nunca sejam perdidos.

EU SOU

                      

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

NATAL UMBANDISTA

 

Estamos em Dezembro, um mês mágico que altera o estado de espírito das pessoas, principalmente dos umbandistas, que já comemoraram Yemanjá, Yansã e Oxum no começo dele.

Ainda temos o dia 25, quando a cristandade comemora o nascimento do Mestre Jesus no mundo todo e temos o dia 31, quando todos comemoram a passagem do ano com uma explosão de alegria e votos de que o ano que começará seja de paz, saúde e prosperidade.

Para os umbandistas a comemoração do natal cristão é algo natural, até porque a maioria dos seus seguidores e médiuns praticantes veio da religião cristã. Inclusive, muitos umbandistas seguem uma corrente doutrinária denominada Umbanda Cristã, muito parecida com o Espiritismo Kardecista.

Na maioria dos seus centros os umbandistas colocam em seus altares a imagem do Mestre Jesus no seu degrau mais alto, prestando-lhe uma reverencia e adoração sublime devido seu sincretismo com o Orixá Oxalá, o maior dos orixás cultuados na Umbanda.

Esse respeito e reverencia ao Mestre Jesus enobrece ainda mais a umbanda, a mais tolerante das religiões existentes no Brasil, já que ela acolhe em seus centros os seguidores de todas as outras com amar e respeito, sem constrangê-los com perguntas sobre a religião que seguem e sim, os auxiliam onde elas não podem ou seus sacerdotes não sabem como lidar: a Mediunidade e os problemas espirituais de fundo karmático!

Nesse ponto a Umbanda é única entre as religiões!

Seus dirigentes e médiuns, assim como todos os Guias Espirituais, acolhem os seguidores de outras religiões como irmãos e os auxiliam como podem e da melhor forma possível, livrando-os de suas perturbações de fundo espiritual, auxiliando-os na cura de suas doenças, auxiliando-os a conseguirem um emprego, quebrando demandas das quais são vitimas, etc.

E isso sem perguntar-lhes quais as suas religiões, sem atribuir às suas crenças religiosas a causa de suas dificuldades e nem os obrigando a se converterem para que, aí sim, sejam ajudados pelos sagrados Orixás e pelos Guias Espirituais de Umbanda.

Não vemos isso acontecer nas outras religiões, onde o usual, assim que sabem a religião de quem adentra em seus templos é ir alertando-os ou acusando-os de seguirem uma religião errada, ou pagã, ou do diabo, etc. Nesse aspecto a Umbanda é única e insuperável porque todos os umbandistas acreditam que Deus é único, esta presente na vida de todos e em todas as religiões, não importando a forma que usam para cultuá-lo e adorá-lo. Inclusive, é comum aos seguidores das outras religiões regirem com palavras ofensivas à nossa religião e à nossa pessoa assim que ficam sabendo que seguimos a religião Umbanda, dando a entender que só eles cultuam e adoram Deus.

Essa postura intolerante por parte da maioria dos seguidores de outras religiões para conosco, os umbandistas, provavelmente é uma decepção para o mestre Jesus, que não fundou nenhuma religião e não pregou a intolerância, mas vê entre os seus seguidores uma reação não fraterna aos seus irmãos em Deus que professam outras crenças religiosas.

Os umbandistas seguem a Umbanda, mas respeitam todas as outras religiões e a crença dos seus seguidores e não temem entrar em suas igrejas porque nesse quesito estão anos-luz à frente dos demais, já que sabe que só há um Deus, criador de tudo e de todos e existem suas divindades, espalhadas entre as muitas religiões existentes na face da terra, com Jesus Cristo incluído entre elas e ao qual respeitam e amam.

No dia em que todas as religiões e todos os seus seguidores pensarem e agirem como prega a Umbanda e os umbandistas nesse mundo haverá mais fraternidade verdadeira e menos miséria, doenças, crimes, racismo e intolerância.

Mas isso talvez seja esperar demais dessa humanidade pecadora que discrimina seus semelhantes só porque seguem uma religião diferente, ainda que todos saibam que só há um Deus e que todos somos seus filhos... que todos somos irmãos perante Ele, o nosso Divino Criador!

Por ser como são e por amarem e respeitarem o Mestre Jesus os umbandistas comemoram o Natal e lhe rendem merecida homenagem, pois, pelo menos nessa data cristã os cristãos de fato se mostram mais fraternos e tolerantes.

Nesse natal, que o amado mestre Jesus abençoe a todos!

Feliz Natal Umbandistas!

Pai Rubens Saraceni

QUE O TEMPO

HOJE É DIA DE SÃO LÁZARO











Foto








Foto

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

É PRECISO FORÇAS

ESPERE E CONFIE

O ERRO

LIBERTE.SE

A CAPACITAÇÃO

A ESPIRITUALIDADE

A MORTE NAO É NADA

ABENÇOAR A VIDA DIARIAMENTE

REFORMA ÍNTIMA

Tão necessária é nos dias atuais.
E se nao fizermos, com certeza, iremos ficar estagnados no tempo e no espaço.

PODES CONTAR COM DEUS

UM PEDIDO

AS ENTIDADES CIGANAS

ADOREI AS ALMAS

EU SOU FILHA DE OYA

SALVE CABOCLOS

TENHA PACIÊNCIA

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

REFLEXÃO SÁBIA

O UNIVERSO ÍNTIMO DE CADA UM

EQUILÍBRIO

Estejas sempre em conexão com o universo para 
que seu equilíbrio não seja abalado .

A MELHORIA DE TUDO PASSA

 
“A melhoria de tudo passa pela melhoria do ser” 
De nada adianta – diz a confreira mineira – lutarmos somente
pela melhoria das instituições, pois elas não existem sem
as mentes que as constituem
 
 
Angélica da Costa Maia (foto) nasceu em Belo Horizonte-MG e reside atualmente na cidade mineira de Lavras. Verbo fluente, profundo, exalando conhecimentos preciosos da Doutrina Espírita, conta-nos que é espírita desde que nasceu. É membro ativo do Centro Espírita Augusto Silva, de Lavras,  mas  não  exerce  ali nenhum cargo de
direção. A cada momento vivido nas tribunas aonde vai, deixa nos corações a certeza da excelência espírita. É encantadora sua presença simples e sincera, leal à causa de Jesus. Conversamos com ela num daqueles momentos em que nos encontramos nas lidas doutrinárias: 

Vivemos numa grande sociedade planetária. Como nos identificarmos nela?
Em se tratando de nossa manifestação no plano físico, penso que não devemos nos identificar com coisa alguma, a não ser com a tarefa que o Plano Maior nos designou. Afinal, não somos daqui e não permaneceremos por aqui por muito tempo. Daí que toda identificação com os níveis físicos só será motivo de muitas ilusões e atrasos em nossa marcha evolutiva. Mas devo entender também a pergunta como uma identificação no sentido de fraternidade e compromisso. Nesse caso temos que nos identificar com a proposta divina que nos traz o senso de fraternidade universal, sobretudo na aceitação das aparentes diferenças, aprendendo que todos somos uma só consciência no Senhor.   
Compete aos homens do presente uma melhor adequação aos postulados de Jesus. Como atender a essa necessidade, tendo em vista os apelos contrários da mídia atual?
O cristão na atualidade deve se esforçar para que seu padrão mental, consequentemente seu padrão vibratório, seja o mais próximo possível de sua vontade sincera. A mídia retrata a horizontalidade dos pensamentos de uma humanidade que precisa se renovar e também tem sido instrumento para averiguar o nível de discernimento de todos nós que abraçamos a proposta crística, mas que ainda sentimos os apelos de nossos antigos padrões. Fazendo nossa parte, se esvaziarão os espaços utilitaristas que hoje representam, lamentavelmente, o desejo central de nossa humanidade.   
Conflitos versus diálogos. Qual o melhor ponto de intercessão?
O conflito que vivemos nos vários níveis de relacionamento (com nós mesmos, com os outros, com a natureza...) representa a lei da polaridade do Cosmo que nos pede hoje harmonia dos opostos, em todos os sentidos. A síntese dos opostos é o desafio nos tempos atuais. Não podemos mais nos situar nas polaridades como, por exemplo: certo x errado, útil x inútil, lícito x não lícito, etc. O conflito entre as várias forças antagônicas, como proposta da divindade para o crescimento e qualificação da centelha divina, só existe para que haja a síntese de todas as experiências vividas. Por isso devemos ver o conflito como algo positivo que provoca nossas consciências a sintetizar o aprendizado e prosseguir nos novos patamares do Plano Evolutivo. Até que cheguemos a esse entendimento vamos, equivocadamente, imprimindo valores morais provisórios e desenvolvendo a crença das forças antagônicas (bem e mal, qualidades e vícios, defeitos e virtudes). Isso nos impede de entender a Força divina como uma só vertente manifestando-se de todas as formas, conforme o desenvolvimento dos veículos através dos quais Ela se manifesta.  
Poderia aprofundar um pouco mais em sua explicação?
O assunto é um pouco extenso, mas tentarei resumir da seguinte forma: a energia do “santo” é a mesma do “pecador”; só é diferente a direção. Não foi isso que fez Paulo, Pedro, Magdala? O diálogo com a natureza espiritual, com a Força Crística Interna, fez com que esses seres direcionassem a energia e se mostrassem Filhos da Luz. E isso devemos também fazer! 
Dentro das diferenças existentes entre os membros da nossa sociedade atual, qual a melhor opção para um enfrentamento enriquecedor?
As diferenças são fonte de sabedoria, portanto, não deveriam ser motivo de contenda. Se só relacionássemos com os iguais, não teríamos nenhum desafio para mudar de nível vibratório, pelo contrário, teríamos muitos motivos para permanecer como somos. E isso não é bom, pois todo tipo de maturidade não é ponto de chegada, não é término, é sempre caminhada.  
Disto resulta que devemos sempre buscar a cristã convivência fraterna?
Sim. Quanto mais lidarmos com vibrações diferentes mais aprenderemos a ciência da fraternidade universal e da apropriação dos bens eternos. A melhor opção é sempre manter o que temos de bom, sem nos deixar levar pelos apelos das ondas mentais coletivas, sendo, portanto, a manifestação de um nível de consciência mais elevado. E essa é a nossa maior contribuição neste período de aferição dos valores espirituais de nosso grupo planetário.   
Fale-nos sobre os fundamentos de uma cultura de paz.
Tudo que quisermos saber sobre os fundamentos de uma cultura de paz encontraremos nas diretrizes do Sermão da Montanha, consignado nos cap. 5, 6 e 7 do Evangelho segundo Mateus. É compromisso interno e urgente.  
Como estabelecer um pacto pessoal para nossas vitórias espirituais?
O único pacto que devemos fazer, conscientemente, é o de fazer valer a Vontade Superior, a despeito de nossos desejos, ainda que estes sejam sinceros e úteis. Devemo-nos entregar a uma Vontade Superior, integrando, assim, o grupo das mentes que já estão se afinizando com a nova proposta planetária, que não mais comportará os valores do ego, das vontades e interesses pessoais.  
Em sua opinião estamos num tempo de transição planetária ou a nova aurora do mundo regenerador já se faz presente?
Estamos em fase de transição como humanidade, mas muitos já podem respirar o clima da regeneração, pois tudo depende do nível de consciência em que cada um se encontra. Importante é saber que o quinto reino se aproxima: – o reino espiritual.   
Qual a melhor dinâmica para equacionarmos Espiritismo x Sociedades atuais?
Espiritismo na sociedade atual deve significar vivência do Evangelho com consequente elevação/sutilização de nossos propósitos de vida.  
No quesito violência contra as minorias, como vê uma atuação positiva dentro das responsabilidades públicas?
A melhoria de tudo passa pela melhoria do ser. De nada adianta lutarmos somente pela melhoria das instituições, pois elas não existem sem as mentes que as constituem. Se não fizermos uma mudança de padrão mental, todos nós, de nada adiantarão nossos esforços por causas, instituições, formas sociais etc. Vamos nos recordar de Paulo de Tarso quando disse que não nos conformássemos com esse mundo, mas que o transformássemos pela renovação de nossa mente.   
E dentro das responsabilidades religiosas, principalmente o Espiritismo?
As religiões deveriam libertar as mentes e trabalhar os novos padrões crísticos da humanidade, mas não fizeram isso. Algumas, inclusive, desenvolveram padrões contrários ao progresso e à libertação das mentes. No caso do Espiritismo, temos que atentar para que não nos falte discernimento quanto à forma e conteúdo da divulgação dos princípios doutrinários, sob pena de nos assemelharmos a outros movimentos que, por mais sérios e instrutivos que sejam, ainda não correspondem ao que nos pede o Mais Alto nestes tempos de transição.   
Qual a principal fundamentação espírita que penetra com mais profundidade e excelência o coração do homem?
Depende muito do nível de consciência de cada um. Temos ainda muita passividade naqueles que seguem os postulados espíritas no sentido de buscarem fórmulas mágicas para resolverem os problemas da vida. Temos que oferecer o conteúdo lógico, racional e consolativo da doutrina espírita, mas não podemos nos esquecer de ofertar a ferramenta básica para o adepto: evangelho e compromisso.  
Em sua opinião, como melhor exercer a liberdade que o livre-arbítrio nos proporciona?
Não estamos mais em momento de ficar fazendo experiências com livre-arbítrio. São muitos evos de experiência nesse contexto. Hoje o que precisamos é exercer o livre- arbítrio no sentido de fazer uma só vontade – a do Pai, e seguir um só caminho – o da luz.   
Recursos suficientes para uma vida melhor, como vê esta proposta?
Essa é a proposta de Jesus. Temos tudo para viver uma vida de mais luz e mais paz. À disposição de todos nós está a abundância de Deus. Seus celeiros estão fartos dos grãos da sabedoria e da verdade. Depende de querermos experimentar essa busca, com sinceridade de propósitos e fazendo o que Maria, irmã de Marta, fez: escolher a melhor parte, a única coisa necessária.  
Em qual quesito o movimento espírita atual precisa aprimorar-se mais?
Ser mais profundo, silencioso, meditativo. Nosso movimento é muito “festeiro” e a mensagem, por mais elevada que seja, às vezes, se perde na agitação e nos excessos de nossos eventos. Aprendemos que um Centro Espírita é escola, hospital, oficina de trabalho e templo. Este último aspecto anda meio esquecido...  
Como é seu trabalho de divulgadora do Evangelho de Jesus à luz da Doutrina Espírita? Quais seus contatos para palestras e outros eventos?
O trabalho que realizamos é de divulgar os princípios espíritas e o Evangelho de Jesus através da palavra (palestras e seminários). Contato: angelicalavras@hotmail.com  
Como é o movimento espírita de Lavras e como funciona a Casa Espírita onde exerce suas atividades doutrinárias?
O movimento espírita de Lavras não é diferente do de outras cidades. Lavras é uma cidade do interior, estudantil, com universidade, o que facilita a divulgação dos princípios doutrinários, dado o público vindo de diversos lugares. Temos uma interação boa e fraterna entre todas as casas espíritas, que têm tarefas em conjunto, o que facilita o intercâmbio e o desenvolvimento de nossa união e fraternidade. A casa espírita que frequento é o Centro Espírita Augusto Silva, fundado em 1920, casa pela qual passou a querida Yvonne do Amaral Pereira, e onde ela escreveu a excelente e inspirada obra “Memórias de Um Suicida”.  
Muito obrigado e, por favor, deixe-nos suas palavras finais.
Agradeço sua gentileza e a oportunidade de participar deste trabalho de divulgação.  Rogo a Deus que nos mantenha unidos na busca iluminativa, pois contando com o amparo de companheiros nossa caminhada é mais feliz e os riscos de nos equivocarmos diminuem. Sejamos, então, um só coração com Jesus!

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

UMBANDA ,UNICAMENTE UMBANDA

 


Umbanda, Unicamente Umbanda

É voz corrente se ouvir dizer Umbanda Limpa ou Branca, Umbanda Traçada, Umbanda Esotérica, Kardecista, Iniciática, Umbanda no Angola, Umbanda no Jeje, Umbanda no Mina, Umbanda no Nagô e outras tantas classificações desse quilate, que nos põe a cada momento estupefatos, dado à variedade de designações para esse "movimento mágico religioso", produzido pela imaginação febril e tacanha onde medram os mais desprezíveis e delirantes pensamentos sobre a nossa Umbanda.

Umbanda é coisa séria, para gente séria. Umbanda sendo a única religião criada no Brasil, não pode ser dividida. A nossa religião deve ser trada com carinho, amor, seriedade e estudo, sobretudo com renovação de caráter dos que a professam para que a mesma possa espelhar a grandeza de sua doutrina.
A Umbanda se sente desmerecida com o tratamento que lhe dispensam boa parte dos Terreiros onde se vê mais "animismo" do que "mediunismo"; mais interesses cúpidos do que magias; mais deslealdade do que autenticidade; mais personalismo do que espiritualismo. A Umbanda que está aí, não espelha sua verdadeira magnitude. São arremedos, nuances, propósitos, insultos, fantasias, infantilismos e graças ao nosso Deus Supremo (Zâmbi), em raros Terreiros, uma quase genuína manifestação do que seja a Umbanda, unicamente Umbanda.
O sacrifício de animais (oferenda de sangue) nunca foi, não é e nem será ritual de Umbanda.
"Não cobrar, não matar, usar o branco, evangelizar e utilizar as forças da natureza".
Portanto, podemos afirmar que a Umbanda é produto de evolução espiritual ou religiosa.
 
 Origem
Suas origens estão contidas nas filosofias orientais, fonte inicial de todos os cultos do mundo civilizado, que implantada em nossa terra, reuniu-se às práticas dos conceitos e crenças do índio, branco e negro.
A raiz mais antiga do registro do vocábulo Umbanda encontra-se nos UPANISHADS, textos sagrados da Índia.
É comum ouvir dizer que a Umbanda foi trazida ao Brasil pelos escravos, entretanto devemos considerar que a Umbanda surgiu sobre o amálgama das crenças negras e nativas com o cristianismo.
Segundo, Matta e Silva, "toda essa complexa mistura, que o leigo chama de macumba, baixo espiritismo, magia negra, envolvendo práticas fetichistas e barulhentas ... era a situação existente, quando surgiu um vigoroso movimento de luz, ordenado pelo astral superior, feito pelos espíritos que se apresentavam como Caboclos, Pretos Velhos e Crianças.

O Que é a Umbanda
Não é uma ramificação do catolicismo, muito menos do candomblé.
A influência Africana desempenhou papel relevante na formação da Umbanda, da qual se constituiu um dos principais alicerces, dando-lhe, como contribuição primordial, Os Orixás. Em sua prática, a Umbanda aproxima-se mais da origem nativa. Na estrutura, porém prevaleceu a influência Africana (nomes, rituais e costumes)
A Umbanda é uma doutrina espiritualista como o Espiritismo, o Catolicismo, o Protestantismo, o Judaísmo, o Exoterismo, etc..., o que não impede de haver entre elas diferenças essenciais que lhes dão características próprias.
Tem a Umbanda seus Sacerdotes, com seus graus iniciáticos, como Tatás (com mais de 30 anos), Babalorixás (homens) e Yalorixás (mulheres), podendo realizar Batizados, Casamentos e outras cerimônias dentro de seus cultos.
Se religião é todo culto que contém seu cortejo de Divindades, ou melhor, chamado de Teologia (relação entre os deuses e os homens), o seu cerimonial ou Liturgia (fórmulas consagradas de orações) e seus praticantes ou sua classificação hierárquica, Umbanda é Religião. Podendo ser enquadrada em outro sentido, como pr exemplo: Crença Mista, pelo fato de que a Umbanda nada mais é do que uma mistura de várias religiões, tendo fundamento básico na Crença dos Espírito


Surgimento da Umbanda
Esta religião brasileira, surgiu em 15 de novembro de 1908 com o médium Zélio Fernandino de Moraes que tinha 17 anos de idade. O Patrono foi o Caboclo das Sete Encruzilhadas.
Ordenado pelo astral superior, feita pela manifestação de espirítos que se apresentavam como Caboclos (índios nativos de nossa terra) e os Pretos Velhos (velhos africanos que haviam servidos como escravo) que não encontravam campo de ação nos remanescentes Cultos Negros, já deturpados, confusos e desordenados e dirigidos quase que exclusivamente para trabalhos do mal.
A Lei principal da Umbanda é resumida numa só palavra CARIDADE: no sentido do amor fraterno em benefício dos seus irmãos encarnados, qualquer que fosse a cor, raça, o credo e a condição social, não podendo haver ambiciosos, vaiodos, mistificadores, pois estes, mais cedo ou mais tarde, são afastados da Umbanda pelos espíritos de luz.
As normas da Umbanda são:
Sessões - assim se chamariam os períodos de trabalhos espirituais;
Vestes - os participantes estariam uniformizados de branco;
Sacrifícios - o sacrifício de aves e animais é totalmente alheio a Umbanda;
Fundamento Básico - é a crença ou culto aos espíritos evoluídos;
Atendimento - gratuito.
A origem da palavra Umbanda é oriunda do Sânscrito (a mais antiga língua da Terra _ raiz mestra dos demais idiomas existentes no mundo), que se pode traduzir por "DEUS AO NOSSO LADO" ou "O LADO DE DEUS". Um outro significado é UM _ DEUS (único) e BANDA _ POVO DA TERRA. A Umbanda não invoca os espíritos dos desencarnados sem luz.
Na Umbanda são trazidos, e não invocados, os espíritos dos desencarnados, através dos espíritos das Linhas (Caboclos e Pretos Velhos), a fim de conscientizá-los de que deixaram o mundo material, e portanto, deverão deixar de se ligar a tudo que é material.
A Umbanda fundamenta-se nos seguintes princípios: É a crença nos espíritos, dando condição aos mesmos de evoluir, sejam de qualquer classe ou ordem, encarnados (Alma) ou desencarnados(Espírito, prpriamente dito).

Em Essência, a Umbanda fundamenta-se nos seguintes pontos básicos.
1. Na existencia de Deus Único, Onipotente, Irrepresentável, adorado sob vários nomes (ZÂMBI);
2. Na crença de um "Orixá Maior", denominado de Oxalá;
3. Na crença de Entidades Espirituais em Plano Superior _ Os Orixás ou Santos, chefiando falanges;
4. Na crença de Guias Espirituais, mensageiros dos Orixás (Caboclos e Pretos Velhos);
5. Na existência do Espírito, sobrevivendo ao homem, em caminho de evolução, buscando o aperfeiçoamento (Exus);
6. Na crença da Reencarnação e na Lei Cármica de Causa e Efeito;
7. Na prática da Mediunidade, sob as mais variadas apresentações;
8. Na afirmação de que as Religiões constituem diversos caminhos de evolução espiritual, que conduzem a Deus;
9. Na prática da Caridade Material e Espiritual;
10. Na necessidade do Ritual, como elemento disciplinador dos trabalhos;
11. Na crença de que o Homem vive num Campo de Vibrações, que condicionam sua vida para o bem ou para o mal, conforme sua própria tônica vibratória.

E se dividiu em 7 linhas

A ESCOLA TERRA

 

A Terra é abençoada escola para o
espírito em evolução.
Cada existência no corpo é um estágio
imprescindível ao seu aprendizado.
As dificuldades são lições valiosas.
As provações são testes necessários.
A dor é a educadora por excelência.
Os obstáculos são convites à superação.
O aproveitamento curricular depende do
esforço individual.
Não há privilégios e favorecimentos ilícitos.
Toda promoção se baseia nos méritos pessoais.
O próximo é a cartilha viva.
Jesus é o Mestre.
-Irmão José Carlos Baccelli-

LÁ NO ALTO

 

Estamos acostumados a uma visão imediatista das coisas.
Olhamos muito para o chão, “para o agora” e nos perdemos…
Lá do alto, tudo fica muito, muito pequeno…
Nossos problemas diminuem, por vezes até somem.
Aquilo que julgámos tão importante é no final das contas, um nada.
Poeira do tempo, grão de areia perdido em nossos pesadelos.

É tempo de ter visão do “alto”, do mais alto.
Não ohe para os problemas, antes, veja as soluções.
E, por mais difícil que seja, comece a andar.
Nâo pare!
Não aceite esmolas, migalhas, pedacinhos.
Você nasceu para a fartura, para o bom da vida, para ter o melhor,
então, nada de ficar chorando ou reclamando, é tempo de lutar.
Não importa a sua idade, o seu tempo, o seu momento,
Importa sim, a sua decisão, se ela é do bem,
se é de vitória, ela já é sua.
Só falta você acreditar.
Muita paz

Eu acredito em você
Paulo Roberto Gaefke

O TÉDIO E A TEMPESTADE

          
Tem dias que são assim mesmo,
dias de desencontro perfeito;
o que eu sonho, se distancia,
e o que eu menos quero,
é o que mais se aproxima…
As tardes são caminhos monótonos para a noite,
que é uma estrada de linhas retas, sem fim.
O sonho não chega, e quando vem, é sem cor.
Dias onde as noites são sempre assim,
cinzas, como céu sem estrelas,
praia sem ondas,
rio sem marolas…
E quando começa acreditar que nada vai mudar,
chega uma chuva de emoções,
uma tempestade de novos sentimentos,
uma ventania de razões que destoa de tudo,
é o amor, a paixão fulminante,
que tudo transforma, torna tudo tão vibrante.
Assim, seu jardim, outrora seco e sem vida,
se enche de flores, nesse peito de amores,
onde o nada é tudo,
e o tudo, apenas uma partícula.
Quando estamos amando,
as noites se enchem de perfume,
os dias são preenchidos pela esperança,
a alma fica doce, com jeito de criança.
Que o amor tome conta da sua vida,
e antes que você reclame, ou diga,
que já sofreu demais, que não acredita no amor,
deixe de lado esse sentimento bobo, esse rancor.
Prepare-se para viver a plenitude.
O amor não pede para entrar, ele invade,
não é mansidão, nem quietude.
Prepare-se!
O amor está onde não o procuramos,
está onde sempre esteve, tão perto e tão longe,
ao alcance das mãos aflitas, bocas sedentas,
de corpos ansiosos, coração que esquece a razão,
é pura emoção…
Se as mãos tremerem, o coração disparar,
se não conseguir desviar o olhar,
se não conseguir esquecer,
não adianta correr, nem tentar se esconder,
o amor te pegou e agora é só viver…
Seja feliz!
Eu acredito em você
-Paulo Roberto Gaefke-

VIVENDO E APRENDENDO

 

Na vida temos muitas surpresas, boas, ruins, inesperadas...
Temos que estar preparados para reagir a cada uma delas.
Chore, ria, faça careta, pule, dançe, cante, corra, viva.
Não tenha medo de Viver e ser feliz!
Existem momentos na vida, que podem parecer bobos,
que possam parecer comuns para você no enquanto,
mas um dia você pode olhar pra traz e diz:
esse foi o dia mais feliz de minha vida. "até agora".
Por isso, aprecie cada momento na vida, como se
fosse único, e especial, com uma pessoa especial.
Não busque a felicidade muito longe,
ela pode estar mais perto do que você imagina!
Tente apenas ser feliz, faça o que der vontade,
não se importe com o que os outros dizem sobre você,
porem, tente não dizer nada sobre os outros.
Não faça com o próximo o que não quer para si mesmo.
-Victor Hugo-

QUANTAS VEZES NÓS PENSAMOS EM DESISTIR,

 

Quantas vezes nós pensamos em desistir,
deixar de lado, o ideal e os sonhos;
Quantas vezes batemos em retirada, com o
coração amargurado pela injustiça;
Quantas vezes sentimos o peso da responsabilidade,
sem ter com quem dividir;
Quantas vezes sentimos solidão, mesmo cercados de pessoas;
Quantas vezes falamos, sem sermos notados;
Quantas vezes lutamos por uma causa perdida;
Quantas vezes voltamos para casa com a sensação de derrota;
Quantas vezes aquela lágrima, teima em cair, justamente na hora
que precisamos parecer fortes;
Quantas vezes pedimos a Deus um pouco de força, um pouco de luz;
E a resposta vem, seja lá como for, um sorriso, um olhar cúmplice,
um cartãozinho, um bilhete, um gesto de amor;
E a gente insiste,
Insiste em prosseguir, em acreditar, em transformar,
em dividir, em estar, em ser;
E Deus insiste em nos abençoar,
Em nos mostrar o caminho:
Aquele mais difícil,
mais complicado, mais bonito.
E a gente insiste em seguir,
por que tem uma missão......
SER FELIZ!

Autor desconhecido.

AS FILHAS DA TERRA

  

Do Seu trono de luzes e de rosas,
A Rainha dos Anjos, meiga e pura,
Estende os braços para a desventura,
Que campeia nas sendas espinhosas.

Ela conhece as lágrimas penosas
E recebe a oração da alma insegura,
Inundando de amor e de ternura
As feridas cruéis e dolorosas.

Filhas da terra, mães, irmãs, esposas,
No turbilhão dos homens s das cousas,
Imitai-A no dor do vosso trilho!...

Não conserveis do mundo o brilho e as palmas,
E encontrareis no íntimo das almas,
A alegria do reino de Seu Filho!
-Bittencourt Sampaio-

NÃO AO SUICÍDIO!



A morte não existe! O espírito é eterno e sobrevive…

” O suicídio é o começo do maior tormento que a criatura humana
pode sofrer, porque descobre que depois de matar seu corpo físico
ela continua viva… porém sozinha, e sem socorro algum, descobre
que seus males só se agravaram e que infelizmente cometeu um
dos maiores crimes que a criatura pode cometer, tirar um empréstimo
de Deus que serviria para a evolução de seu Espírito…. seu corpo”

“O suicídio é um crime aos olhos de Deus…

O suicida é um Espírito criminoso, falido nos compromissos que
tinha para com as leis sábias, justas e imutáveis estabelecidas
pelo criador, e que se vê obrigado a repetir a experiência na terra,
tomando um novo corpo, uma vez que destruiu aquele que a lei lhe
confiara para instrumento de auxilio na conquista do próprio
aperfeiçoamento.
O Espírito de um suicida voltará a novo corpo terreno em condições
muito penosas de sofrimento, agravadas pelas resultantes do grande
desequilíbrio que o desesperado gesto provocou no seu corpo astral,
isto é, no perispírito.



Na fantasia do suicida, ele pensa que morrer seria uma maneira
de livrar-se do medo de ficar louco, no estado de desestruturação
e aniquilamento em que se encontra. É morrer para livrar-se de
uma situação insustentável.Pensa que irá par um mundo paradisíaco
onde não há mais necessidades, e que nesse mundo encontrará
pessoas queridas, ou então, que depois de destruir o seu corpo físico
irá dormir em sono eterno, é possível também encontrarmos o suicídio
inconsciente que advém do desregramento com o qual se abrevia a vida,
esses são:

E excesso de comida, bebida, fumo, vícios em geral, sexo etc…

Normalmente aquele que busca o suicídio necessita muito livrar-se
de algo que lhe atormenta, difícil de julgar o grau de sofrimento
que leva uma pessoa a cometer suicídio. Algumas das prováveis
causas são:

Razões econômica, culpa, remorso, doenças incuráveis, doenças mentais,
depressão, ansiedade, etc.
 


Pode haver suicídio por obsessão?
Todas as religiões cristãs ensinam que os maus espíritos podem
exercer influência maléfica sobre os homens.
Com base nessa questão , pode um espírito perseguidor induzir
sua vítima à prática do suicídio? Claro que sim! O fato tem ocorrido
com freqüência.
Todavia a vítima obsidiada, no uso e gozo do seu livre -arbítrio,
pode querendo com o império de sua força de vontade, resistir a
tentação e tornar-se vitoriosa. Porém, caso venha o obsidiado a
ceder as sugestões do inimigo invisível, e se suicidar,ele
certamente consentiu.
Com certeza ele responderá pela sua fraqueza perante as leis divinas ,
porém como fator atenuante se levará o aspecto obsessivo.
É bom que se saiba, que o espírito obsessor não é o demônio como
ensinam as religiões dogmáticas. Ele é uma criatura humana invisível,
é um homem ou mulher que viveu aqui na terra e que foi injustiçado,
desencarnou com ódio e desejo de vingança.
Depois da morte os espíritos livres perseguem no além aqueles que
lhe fizeram mal, isso seria a obsessão, sua vítima poderá ser levada
não só ao suicídio, mas também, a crimes , a vícios etc, há vários
tipos de obsessão, caso o leitor desta página deseje saber mais
sobre o assunto entre em contato pelo e-mail do site que enviarei
nomes de vários livros que abordam o assunto, dentro da
codificação de Allan Kardec posso citar “O céu e o inferno” .


Abaixo, algumas perguntas a respeito do suicídio:

1 – O suicida permanece muito tempo em regiões de sofrimento,
no plano espiritual, ou logo reencarna?

Depende de suas necessidades e de como reage à situação que criou.
Há os que retornam de imediato à carne. Há os que fazem estágios
em regiões de sofrimento.
Depois são acolhidos em instituições hospitalares que funcionam nas
proximidades dos chamados vales dos suicidas, como descreve
Camilo Castelo Branco (1825-1890), no livro Memórias de um Suicida,
psicografado por Yvonne Pereira.

2 – Considerando o estado de desequilíbrio de quem comete o gesto
tresloucado, não será contra-producente reconduzi-lo à reencarnação?

Em alguns casos é uma necessidade, oferecendo-lhe a bênção do
esquecimento e ajudando-o a superar as fixações que precipitaram
sua fuga no pretérito.



3 – Haverá alguma conseqüência no novo corpo?

O corpo espiritual ou perispírito é um molde da forma física.
Se tem desajustes, estes tenderão a refletir-se nela.
Acontece freqüentemente com o suicida.

4 – Poderia dar alguns exemplos?

Quem se mata por afogamento terá problemas respiratórios.
Quem ingeriu um corrosivo terá desajustes no aparelho digestivo.
Quem atirou na cabeça poderá reencarnar com retardo mental,
paralisia cerebral e males semelhantes.
Quem põe fogo no corpo terá graves problemas dermatológicos.

5 – Seria uma espécie de castigo?

Mais exatamente uma conseqüência.
Se uso uma faca imprudentemente,
acabo me cortando. Deus não estará me castigando.
Apenas estarei colhendo o resultado de minha imprudência.

6 – Uma encarnação é suficiente para o suicida livrar-se dos
desajustes gerados por seu ato?

Isso depende de vários fatores, envolvendo o grau de
comprometimento com o gesto tresloucado.
Como regra diríamos que, quanto mais esclarecido
for, quanto mais ampla sua noção a respeito das responsabilidades
da vida, maior o estrago perispiritual, mais demorada a recuperação.


7 – Pode prolongar-se por mais de uma existência?

É possível, dependendo de como reage.
Podem ocorrer complicações, envolvendo, sobretudo, a reincidência.
Em existência futura o indivíduo sentir-se-á tentado a cometê-lo
novamente, quando enfrentar situações que motivaram
sua fuga no passado.

8 – Há um aumento preocupante de suicídios em todos os países.
O que pode ser feito a respeito?

A Doutrina Espírita é uma vacina contra o suicídio, mostrando-nos
que se trata de uma porta falsa, que nos precipita em sofrimentos
mil vezes acentuados. Por isso, um dos grandes recursos para
combater o suicídio é a sua divulgação.
Trata-se de um trabalho abençoado que todos podemos desenvolver,
particularmente usando livros espíritas, distribuindo-os a mão cheia,
como ensina Castro Alves (1847-1871).
-Richard Simonetti-




 SUÍCIDIO - UMA VISÃO ESPÍRITA

Dar fim à própria vida, abrir mão de todas as possibilidades,
por uma possível paz, é o caminho que muitos seguem, de
forma consciente ou não; mas, ao invés de se mostrar
uma solução, transforma-se num longo caminho de dor,
sofrimento e libertação.
-Francisco Aranda Gabilan-

Matéria extraída do seu livro
Entre o Pecado e a Evolução


 

É impressionante e até mesmo perguntas aterrador que tenhamos
que chamar de “atual” o tema relativo ao suicídio, seja voluntário,
seja indireto.
Mas, lastimavelmente, é atual mesmo: é um mal crescente,
atingindo toda humanidade.

Sua ocorrência sempre foi constante, desde o passado remoto e
em todos os segmentos sociais e étnicos, até mesmo, crianças.
Existem relatos de suicídios, tanto individuais, quanto coletivos,
em várias culturas indígenas.

Daí a sua atualidade. Aliás, não é por outra razão que o assunto
tem sido objeto de preocupação de antropólogos, sociólogos,
médicos, psiquiatras, psicólogos, enfim de todos os
ramos de ciência do Ser – e obviamente, dos Espíritas, sempre
atentos às chagas da humanidade.

É exemplo disso o número de palestras, debates e artigos que
solicitam aos espíritas sobre o assunto, incluindo o número de
que sempre surgem sobre o mesmo tema. Vale dizer, numa palavra:
se há perguntas, é porque o tema necessita de ampla abordagem.


 1. Como os Espíritos e o Espiritismo consideram o suicídio?

R: Usando unicamente os ensinos dos Espíritos constantes
da Codificação, o suicídio é tido como um crime aos olhos de Deus
(Céu e Inferno, cap. 5), e que importa numa transgressão da
Lei Divina (Livro dos Espíritos, pergunta 944) e constitui sempre
uma falta de resignação e submissão à vontade do Criador
(idem, perg. 953-a).
Desse modo, “jamais o homem tem o direito de dispor da vida,
porquanto só a Deus cabe retirá-lo do cativeiro da Terra,
quando o julgue oportuno.
O suicida é qual o prisioneiro que se evade da prisão, antes
de cumprida a pena; quando preso de novo, é mais
severamente tratado.
O mesmo se dá com o suicida que julga escapar às misérias
do presente e mergulha em desgraças maiores”
(Evangelho Segundo o Espiritismo, cap XXVII, item 71)

 2. Por que os Espíritos tratam desse assunto com
certa constância?

R: Primeiramente, como já afirmamos, porque ele é tema
sempre atual, pois que o suicídio tem sido marca constante
de nossa civilização; segundo, que é o mais importante:
a doutrina dos Espíritos, tem um caráter consolador absoluto:
através do fato mediúnico (no dizer do cultíssimo Herculano Pires,
o fato mediúnico é literalmente uma segunda ressurreição) o
espírito volta à carne, não a que deixou no túmulo, mas a
do médium que lhe oferece, num gesto de amor, a oportunidade
de retorno aos corações que deixou no mundo (Mediunidade, cap 5),
é permitido que os próprios suicidas venham dizer-nos que eles
não morreram e afirmam que não só não solucionaram o problema
que os levou ao ato extremo, como ainda estão “vivos” e, de quebra,
com dois problemas: o antigo e o novo, gerado pela
violação das leis da Vida.
Assim, o Espiritismo trabalha preventivamente para que as pessoas
saibam das responsabilidades em praticar atos que possam agravar
sua situação futura e não para condená-las ao martírio eterno.



3. Quais as causas que levam o Ser ao suicídio?

R: A incredulidade, a falta de fé, a dúvida, as idéias materialistas.
Em suma, crer que o Nada é o futuro, como se o Nada pudesse
oferecer consolação, como se fosse remédio para supostamente
abreviar o sofrimento, crença que, na verdade, se constitui
em covardia moral.


4. Quais as conseqüências do suicídio para o Espírito?

R: Em primeiro lugar, é preciso aclarar-se que o suicídio não apaga
a falta cometida, mas, ao contrário, em vez de uma haverá duas;
em segundo, que o Espírito, quando se dá conta do ato cometido,
constata que nada valeu, ficando literalmente desapontado com
os efeitos obtidos e que não eram os buscados, pois se certifica
que a vida não se extinguiu e que continua mais real que nunca.
Terceiro, e que é bastante doloroso, o suicídio agrava todos
os sofrimentos:
“depois de prolongados suplícios, nas regiões purgatórias,
freqüentemente, após diversas tentativas frustradas de
renascimento, readquirem o corpo de carne, mas transportam
neles deficiências do corpo espiritual, cuja harmonia desajustaram.
Nessa fase, exibem cérebros retardados ou moléstias
nervosas obscuras”,
segundo Emmanuel em Leis de Amor, capitulo VI.

5. Então, não há esperança de recuperação para o suicida?

R: Claro que há – total! Deus é Amor e Ele outorga a todas
as Criaturas a maior expressão da Sua Bondade Infinita:
a possibilidade de os Seres evoluírem sempre, incessantemente;
permite que as existências se sucedam ofertando as oportunidades
infinitas de reajuste e reforma; e isso é possível através do mais
efetivo veiculo da Lei de Evolução: a reencarnação.

Portanto, os familiares do suicida de ontem ou de hoje não se
exasperem, ao contrário, mantenham viva a esperança de que
é possível a remissão das faltas e que o Pai de Misericórdia
propiciará os meios de fazer com que o próprio autor do
ato extremo se reconheça Espírito Eterno e indestrutível, e que
a calma, a resignação e a fé serão os mais seguros preservativos
contra as idéias autodestrutivas.
Não será demais que se lhes repita: Deus é Bondade Infinita e,
portanto, não permite que Suas Criaturas sofram indefinidamente
e que esse sofrimento poderá ser abreviado mais rapidamente
mercê de orações sinceras e cheias de amor de todos quantos
querem que se restabeleça o Bem.

(Revista Espiritismo e Ciência 11, páginas 06-08)

 .

O suicídio é a interrupção da vida (óbvio).
Mas nesta frase se encontra a chave de todo o drama que
o suicida passa após a morte. Assim como o mais avançado
dos robôs, ou um simples radinho de pilha, o corpo também
tem sua bateria, e um tempo de vida útil baseado nesta carga.
De acordo com nossos planos (traçados do "outro lado")
teremos uma carga X de energia, que pode ser ampliada,
se assim for necessário. Então, um atentado contra a
vida não é um atentado exatamente contra Deus, mas contra
todos os seus amigos, mentores e engenheiros espirituais
que planejaram sua encarnação nos mínimos detalhes, e
contra a própria energia Divina que foi "emprestada" para
animar seu veículo físico de manifestação: seu corpo.

Eqüivale aos EUA gastar bilhões pra mandar um homem a Marte,
e quando ele estivesse lá resolvesse voltar porque ficou com
medo ou sentiu saudades de casa. Todos os cientistas envolvidos
na missão ficarão P da vida, e com razão. Afinal, quando ele
se candidatou para a missão, estava assumindo todos os riscos,
com todos os ônus e bônus decorrentes de um empreendimento
deste tamanho.
Quando esse astronauta voltar à Terra vai ter trabalho até pra
conseguir emprego de gari.
É mais ou menos assim no plano espiritual. Um suicida nunca
volta pra Terra em condições melhores do que estava antes
de cometer o autocídio.



Segundo Allan Kardec, codificador do espiritismo,
"Há as conseqüências que são comuns a todos os casos de
morte violenta*; as que decorrem da interrupção brusca da vida.
Observa-se a persistência mais prolongada e mais tenaz do laço
que liga o Espírito ao corpo, porque este laço está quase sempre
em todo o vigor no momento em que foi rompido
(Na morte natural ele enfraquece gradualmente e, às vezes, se
desata antes mesmo da extinção completa da vida).
As conseqüências desse estado de coisas são o prolongamento do
estado de perturbação, seguido da ilusão que, durante um tempo
mais ou menos longo, faz o Espírito acreditar que ainda se encontra
no mundo dos vivos.
A afinidade que persiste entre o Espírito e o corpo produz, em alguns
suicidas, uma espécie de recuperação do estado do corpo sobre o
Espírito (ou seja, o espírito ainda sente, de certa forma, as ações
que o corpo sofre), que assim se ressente dos efeitos da decomposição,
experimentando uma sensação cheia de angústias e de horror.
Este estado pode persistir tão longamente quanto tivesse de durar a
vida que foi interrompida.

 
Assim é que certos Espíritos, que foram muito desgraçados
na Terra, disseram ter-se suicidado na existência precedente
e submetido voluntariamente a novas provas, para tentarem
suportá-las com mais resignação.
Em alguns, verifica-se uma espécie de ligação à matéria, de
que inutilmente procuram desembaraçar-se, a fim de voarem
para mundos melhores, cujo acesso, porém, se lhes conserva
interditado. A maior parte deles sofre o pesar de haver feito
uma coisa inútil, pois que só decepções encontram".

Algumas máximas do espiritismo para o caso de suicídio:

As penas são proporcionais à consciência que o culpado tem
das faltas que comete.

Não se pode chamar de suicida aquele que devidamente se expõe
à morte para salvar o seu semelhante.

O louco que se mata não sabe o que faz.

As mulheres que, em certos países, voluntariamente se matam
sobre os corpos de seus maridos, obedecem a um preconceito,
e geralmente o fazem mais pela força do que pela própria vontade.
Acreditam cumprir um dever, o que não é característica do suicídio.
Encontram desculpa na nulidade moral que as caracteriza, em a
sua maioria, e na ignorância em que se acham.

Os que hajam conduzido/induzido alguém a se matar terão de responder
por assassinato, perante as Leis de Deus.

Aquele que se suicida vítima das paixões é um suicida moral, duplamente
culpado, pois há nele falta de coragem e bestialidade, acrescidas do
esquecimento de Deus.

O suicídio mais severamente punido é aquele que é o resultado do
desespero, que visa a redenção das misérias terrenas.


Será desculpável o suicídio, quando tenha por fim impedir a que
a vergonha caia sobre os filhos, ou sobre a família?

O que assim procede não faz bem.
Mas, como pensa que o faz, isso é levado em conta, pois que é
uma expiação que ele se impõe a si mesmo.
A intenção lhe atenua a falta; entretanto, nem por isso deixa
de haver falta. Aquele que tira de si mesmo a vida, para fugir
à vergonha de uma ação má, prova que dá mais apreço à
estima dos homens do que a de Deus, visto que volta para a
vida espiritual carregado de suas iniqüidades, tendo-se privado
dos meios de repará-los aqui na Terra. O arrependimento sincero
e o esforço desinteressado são o melhor caminho para a reparação.
O suicídio nada repara.


Que pensar daquele que se mata, na esperança de chegar
mais depressa a uma vida melhor?

Outra loucura! Que faça ele o bem, e mais cedo irá lá chegar,
pois, matando-se, retarda a sua entrada num mundo melhor
e terá que pedir lhe seja permitido voltar, para concluir a vida
a que pôs termo sob o influxo de uma idéia falsa.


Não é, às vezes, meritório o sacrifício da vida, quando aquele que
o faz visa salvar a de outrem, ou ser útil aos seus semelhantes?

Isso é sublime, conforme a intenção, e, em tal caso, o sacrifício
da vida não constitui suicídio. É contrário às Leis kármicas todo
sacrifício inútil, principalmente se for motivada por qualquer
traço de orgulho.
Somente o desinteresse completo torna meritório o sacrifício e,
não raro, quem o faz guarda oculto um pensamento, que lhe
diminui o valor aos olhos de Deus. Todo sacrifício que o homem
faça à custa da sua própria felicidade é um ato soberanamente
meritório, porque resulta da prática da lei de caridade.
Mas, antes de cumprir tal sacrifício, deveria refletir sobre se
sua vida não será mais útil do que sua morte.


Quando uma pessoa vê diante de si um fim inevitável e horrível,
será culpada se abreviar de alguns instantes os seus sofrimentos,
apressando voluntariamente sua morte?

É sempre culpado aquele que não aguarda o termo que Deus lhe
marcou para a existência. Não há culpabilidade, entretanto, se
não houver intenção, ou consciência perfeita da prática do mal.

Conseguem seu intento aqueles que, não podendo conformar-se
com a perda de pessoas que lhes eram caras, se matam na
esperança de ir juntar-se a eles?
Muito ao contrário. Em vez de se reunirem ao que era objeto de
suas afeições, dele se afastam por longo tempo.

Fonte: Livro dos espíritos (com algumas alterações)

CARTA PATERNA


         


Meu filho, não tinhas razão em favor da cólera.
Vi, perfeitamente, quando o velhinho se aproximou para servir-te.
Trazia um coração amoroso e atento que não soubeste compreender.
Deste uma ordem que o pobrezinho não ouviu tão bem, quanto desejavas.
Repetiste-a e, porque novamente te perguntasse qualquer coisa, proferiste
palavras feias, que lhe feriram as fi­bras mais íntimas.
Como foste injusto!...
Quando nasceste, o antigo servidor já ven­cera muitos invernos e servira
a muita gente.
Enfraqueceram-se-lhe os ouvidos, ante as imperiosas determinações alheias.
Nunca refletiste na neblina que lhe enevoa o olhar? Adquiriu-a trabalhando à
noite, enquan­to dormias, despreocupado.
Sabes porque traz ele as pernas trêmulas? Devorou muitas léguas a pé,
solucionando problemas dos outros.
Irritas-te, quando se demora a movimentar-se a teu mando. Contudo, exiges
o automóvel para a viagem de dois quilômetros.
Em muitas ocasiões, queixas-te contra ele. É relaxado aos teus olhos, tem
as mãos íles­cuidadas e a roupa não muito limpa. Entretanto, nunca imaginaste
que o apagado servidor jamais encontrou oportunidades iguais às que recebeste.
Além disto, não lhe ofereces o ensinamento amigo e nem tempo para cogitar da
s próprias necessidades espirituais.
Reclamas longos dias para examinar pequenina questão, referente ao teu
bem-estar; to­davia, não lhe consagras nem mesmo uma hora por semana,
ajudando-o a refletir...
Respondes, enfadado, quando o velho compa­nheiro te pede alguns níqueis,
mas não vacilas em despender pequenas fortunas com amigos ociosos, em
noitadas alegres, nas quais te mergu­lhas em fantasioso contentamento.
Interrogas, ingrato: que fizeste do di­nheiro que te dei?
Esqueces que o servo de fronte enrugada não dispôs de tempo e recurso para
calcular, com exatidão, os processos de ganhar além do necessário e não
conseguiu ensejo de ilustrar o raciocínio com o refinamento que caracteriza o teu.
Ah! meu filho, quando a impaciência te visita o espírito, recorda que o monstro
da ira indesejável te bate à porta do coração. E quando a ele te entregas,
Imprevidente tuas conquistas mais elevadas tremem nos alicerces.
Chego a des­conhecer-te porque a fúria dos elementos interiores te alteram a
Individualidade aos meus olhos e eu não sei se passas a condição de criança
ou de demônio!...
Se não podes conter, ainda, os movimentos impulsivos de sentimentos
Perturbadores, chegado o instante do testemunho cala-te e espera.
A cólera nada edifica e nada restaura... Apenas semeía desconfiança e
temor, ao redor de teus passos.
Não ameaces com a voz, nem te insurjas Contra ninguém.
É provável que guardes alguma reclamação contra mim, teu pai, Porque
eu também sou ainda humano. No entanto, filho, acima de nós ambos
permanece o Pai Supremo, e que seria de ti e de mim, se Deus, um dia,
se encolerizasse contra nós?
XAVIER, Francisco Cândido. Alvorada Cristã. Pelo Espírito Neio Lúcio

O ESPIRITISMO NÃO FAZ MILAGRES

 

Por.: Rogério Coelho


De maneira racional a Doutrina Espírita esclarece os "milagres" de acordo com as leis naturais.

“(...) O Espiritismo vem, a seu turno, fazer o que
cada ciência fez no seu advento: revelar
novas leis e explicar os fenômenos
na alçada dessas leis”. Allan Kardec

Certa feita, um eclesiástico dirigiu a seguinte pergunta ao Mestre Lionês: “Todos aqueles que tiveram missão de Deus de ensinar a verdade aos homens, provaram sua missão por milagres. Por quais milagres provais a verdade de vosso ensinamento?” A resposta de Kardec não se fez esperar 2:

“(...) Confessamos – humildemente -, que não temos o menor milagre a oferecer; dizemos mais: O Espiritismo não se apóia sobre nenhum fato miraculoso; seus adeptos nunca fizeram e não têm a pretensão de fazer nenhum milagre; não se crêem bastante dignos para que, à sua voz, Deus mude a ordem eterna das coisas. O Espiritismo constata um fato material, o da manifestação das almas ou Espíritos. Esse fato é real, sim ou não? Aí está toda a questão; ora, nesse fato, admitindo como verdadeiro, nada há de miraculoso. Como as manifestações desse gênero, tais como as visões, aparições e outras, ocorreram em todos os tempos, assim como atestam as histórias, sagradas e profanas, e os livros de todas as religiões, outrora puderam passar por sobrenaturais; mas hoje que se lhes conhece a causa, que se sabe que se produzem em virtude de certas leis, sabe-se também que lhes falta o caráter essencial dos fatos miraculosos, o de fazer exceção à lei comum.

Essas manifestações, observadas em nossos dias com mais cuidado do que na antigüidade, observadas sobretudo sem prevenção, e com a ajuda de investigações tão minuciosas quanto as que se aplicam no estudo das ciências, têm por conseqüência provar, de maneira irrecusável, a existência de um princípio inteligente fora da matéria, sua sobrevivência aos corpos, sua individualidade depois da morte, sua imortalidade, seu futuro feliz ou infeliz, por conseguinte, a base de todas as religiões.

Se a verdade não fosse provada senão por milagres, poder-se-ia perguntar:

Por que os sacerdotes do Egito, que estavam no erro, reproduziram diante do Faraó aquilo que Moisés fez? Por que Apolônio de Tiana, que era pagão, curava pelo toque, devolvia a visão aos cegos, a palavra aos mudos, predizia as coisas futuras e via o que se passava à distância? O próprio Cristo não disse: "Haverá falsos profetas que farão prodígios"? Um de nossos amigos, depois de uma fervorosa prece ao seu Espírito protetor, foi curado quase instantaneamente de uma enfermidade, muito grave e muito antiga, que resistia a todos os remédios; para ele o fato era verdadeiramente miraculoso; mas, como ele acreditava nos Espíritos, um cura, a quem contou a coisa, disse-lhe que o diabo também pode fazer milagres. "Nesse caso, disse esse amigo, se foi o diabo que me curou, é ao diabo que devo agradecer."

Os prodígios e os milagres não são, pois, o privilégio exclusivo da verdade, uma vez que o próprio diabo pode fazê-los.

 
 

(...) Há no Espiritismo duas coisas: o fato da existência dos Espíritos e de suas manifestações, e a doutrina que disso decorre. O primeiro ponto não pode ser posto em dúvida senão por aqueles que não viram ou que não quiseram ver; quanto ao segundo, a questão é saber se essa doutrina é justa ou falsa: é um resultado de apreciação.

(...) Considerai o Espiritismo, se o quiserdes, não como uma revelação divina, mas como a expressão de uma opinião pessoal, a tal ou tal Espírito, a questão é saber se ela é boa ou má, justa ou falsa, racional ou ilógica. A que se reportar para isso? É ao julgamento de um indivíduo? De alguns indivíduos mesmo? Não; porque, dominados pelos preconceitos, as idéias preconcebidas, ou os interesses pessoais, podem se enganar. O único, o verdadeiro juiz, é o público, porque ali não há o interesse de associação.

Além disso, nas massas há um bom senso inato que não se engana. A lógica sã diz que a adoção de uma idéia, ou de um princípio, pela opinião geral, é uma prova de que ela repousa sobre um fundo de verdade.

Os Espíritas não dizem, pois: "Eis uma doutrina saída da boca do próprio Deus, revelada a um único homem por meios prodigiosos, e que é preciso impor ao gênero humano." Eles dizem, ao contrário: "Eis uma doutrina que não é nossa, e da qual não reivindicamos o mérito; nós a adotamos porque a achamos racional. Abribuí-lhe a origem que quiserdes: de Deus, dos Espíritos ou dos homens; examinai-a; se ela vos convém, adotai-a; caso contrário, ponde-a de lado."

Não se pode ser menos absoluto!

O Espiritismo não vem, pois, intrometer-se na religião; ele não se impõe; não vem forçar a consciência, não mais dos católicos do que dos protestantes, dos judeus; ele se apresenta e diz: "Adotai-me, se me achais bom."

É culpa dos Espíritas se o acham bom? Se nele se encontra a solução do que se procurava em vão alhures? Se nele se haurem consolações que tornam felizes, que dissipam os terrores do futuro, acalmam as angústias da dúvida e dão coragem para o presente? Não se dirige àqueles a quem as crenças católicas ou outras bastam, mas àqueles que elas não satisfazem completamente, ou que desertaram; em lugar de não mais crer em nada, os conduz a crerem em alguma coisa, e a crer com fervor.

Pergunta-se sobre que milagre nós nos apoiamos para crer a Doutrina Espírita boa. Nós a cremos boa, não só porque é nossa opinião, mas porque milhões de outros pensam como nós; porque ela conduz a crer aqueles que não crêem; dá coragem nas misérias da vida. O milagre?! É a rapidez de sua propagação, estranha nos fastos das doutrinas filosóficas; foi por ter, em alguns anos, feito a volta ao mundo, e estar implantada em todos os países e em todas as classes da sociedade; foi por ter progredido, apesar de tudo o que se fez para detê-la, de ultrapassar as barreiras que se lhe opôs; de encontrar um acréscimo de forças nas próprias barreiras. Está aí o caráter de uma utopia? Uma idéia falsa pode encontrar alguns partidários, mas nunca tem senão uma existência efêmera e circunscrita; perde terreno em lugar de ganhá-lo, ao passo que o Espiritismo ganha-o em lugar de perdê-lo. Quando é visto germinar por todas as partes, acolhido por toda a parte como um benefício da Providência, é que ali está o dedo da Providência; eis o verdadeiro milagre, e nós o cremos suficiente para assegurar o seu futuro.

(...) Em resumo: O Espiritismo, para se estabelecer, não reivindica a ação de nenhum milagre; não quer, em nada, mudar a ordem das coisas; procurou e encontrou a causa de certos fenômenos, erradamente reputados como sobrenaturais; em lugar de se apoiar no sobrenatural, repudia-o por sua própria conta; dirige-se ao coração e à razão; a lógica lhe abre o caminho”.

1- KARDEC, Allan. A Gênese. 43.ed. Rio de Janeiro: FEB, 2003, cap. XIII, item 4, § 1º.
2- KARDEC, Allan. Revue Spirite. Araras: IDE, 1993, p. 40 e seguintes.

Artigo.: O Espiritismo não faz Milagres
Por.: Rogério Coelho (É o autor é Presidente-fundador da Soc. Muriaense de Estudos Espírita, expositor e escritor).